Como tirar/extrair/remover o vocal/acapella de uma música pronta

Sem a menor sombra de dúvidas essa é a dúvida de aspirantes a produtor de música eletrônica que eu mais li (e respondi) nos últimos anos: “COMO EXTRAIR O VOCAL DE UMA MÚSICA PRONTA?”.

Eu entendo perfeitamente o que se passa na cabeça do produtor iniciante, principalmente dos produtores que têm vontade de produzir seus próprios remixes e bootlegs (remixes não-oficiais), pois quando comecei eu também não fazia ideia se conseguia o vocal de uma música famosa pra que eu pudesse fazer meus experimentos musicais.

Bom, respondendo de forma bem simples e direta, a questão é simples: É IMPOSSÍVEL EXTRAIR PERFEITAMENTE O VOCAL DE UMA MÚSICA PRONTA!

A analogia que mais rola pra explicar isso, seria algo como ser impossível “extrair o açúcar de um bolo pronto”, já que no caso do vocal ele está todo misturado (mixado) com outros instrumentos que habitam as mesmas regiões de frequência dele, sendo assim é impossível extrair de forma 100% efetiva a voz da música.

MAS… apesar de ser impossível extrair o vocal perfeito, existem algumas técnicas para  extrair esse vocal de forma que ainda seja útil para se fazer um bootleg, aliás: qualquer remix produzido sem autorização do artista original é o que se chama de bootleg.

Bom, aproveitando o gancho, vou listar algumas das formas em que se "consegue" o vocal de uma track, pra que seja feito um remix/bootleg da mesma, usando exemplos de tracks que eu produzi:

CASO 1: REMIX OFICIAL

Esse é o mais simples: o artista da música original entra em contato com determinado produtor, e pede que ele faça um remix, enviando todos os áudios da música original, incluindo o vocal.

Exemplo: Fedde Le Grand - Twisted (Senne Remix) [LK2 Music]

CASO 2: STEMS DE REMIX CONTEST

Hoje em dia é comum grandes artistas promoverem competições de remixes, afim de promover suas músicas e revelar talentos, e para isso eles liberam alguns elementos de suas tracks, inclusive os vocais, para que os participantes façam seus remixes. Por isso que as vezes rola uma enxurrada de remixes da mesma música. Assim que fiz meu remix de "End Of Time" da Beyoncé.

Exemplo: Beyoncé - End Of Time (Felippe Senne 'Love House' Remix)

CASO 3: ACAPELLA LIBERADA PELO PRÓPRIO ARTISTA

Existem alguns artistas que não vêem muito problema em liberar partes de suas tracks (como os vocais), para que a comunidade de DJs e produtores criem versões a vontade. Um grande exemplo disso é o Calvin Harris, que já liberou várias acapellas de suas músicas em sua conta no Soundcloud, incluindo "Flashback", que usei para criar meu bootleg.

Exemplo: Calvin Harris - Flashback (Felippe Senne Remix)

CASO 4: ACAPELLA VAZADA NA INTERNET

Qualquer empresa (de vez em quando) tem alguma pessoa mal intencionada em seu quadro de funcionários, e no mundo da música não é diferente, portanto volta-e-meia surgem na internet arquivos de acapellas, e até multitracks (stems de músicas inteiras) de grandes hits mundiais, que você encontra facilmente em sites de pirataria por aí, provavelmente vazados por funcionários agindo de má fé em estúdios e gravadoras. Foi dessa forma que fiz meu bootleg de "Every Breath You Take", grande clássico do The Police, onde usei as guitarras e vocais da original.

Exemplo: The Police - Every Breath You Take (Felippe Senne Remix)

CASO 5: ACAPELLA DIY (TÉCNICA DE INVERSÃO DE FASE)

Existe uma técnica muito interessante, fruto do fenômeno físico de cancelamento de fase, em que se consegue extrair (mais ou menos) o vocal de uma tracks, fazendo a mixagem em perfeita sincronia da versão ORIGINAL da música, com a sua versão INSTRUMENTAL com a fase invertida, ou seja, após as ondas das duas versões se somarem o que for parecido nas duas tracks vai se anular, resultando em silêncio, e onde houver o vocal ele vai sobrar dessa soma.

Obviamente não fica perfeito, mas com certa habilidade é possível chegar em resultados aceitáveis para a produção de um bootleg sem grandes pretensões. Você pode ver como fazer algo parecido nesse tutorial do amigo Ilan Kriger.

Arquivos de acapellas feitos com essa técnica, batizada de "acapella DIY", do inglês Do It Yourself (traduzindo: faça você mesmo), você encontra aos montes por aí em sites de pirataria, como o acapellas4u.co.uk. Foi nele que encontrei o arquivo meia-boca que usei para fazer o bootleg do meu pseudônimo Felinne (deep house).

Exemplo: Lana Del Rey - Young and Beautiful (Felinne Bootleg)

CASO 6: TRECHO EDITADO E EQUALIZADO DA MÚSICA ORIGINAL

Essa é a forma em que a criatividade do produtor do bootleg tem que vir a flor da pele, já que é criada uma versão em que é necessário ser pensada para que algum trecho da música original se encaixe de forma que não pareça algo tão brusco. Normalmente o produtor "corta" o áudio em pedaços, e equaliza com o objetivo de retirar frequências desnecessárias pra sua produção (como o Sub Bass, por exemplo). É preciso ser realmente criativo pra conseguir um resultado legal, e foi dessa forma que fiz meus bootlegs de "Walk" do Foo Fighters e "Vale Tudo" do Tim Maia.

Exemplo: Foo Fighters - Walk (Felippe Senne Remix) e Tim Maia - Vale Tudo (Felippe Senne Bootleg)

CASO 7: VERSÃO COVER DO VOCAL

Hoje em dia também é muito comum encontrar gravações no Youtube de novos artistas fazendo covers excelentes de músicas famosas, e foi assim que meu amigo Bernardo Novaes (aka Bernn) fez seu remix de "Radioactive" do Imagine Dragons. Só que rolou uma coisa bem interessante: depois de fazer o seu remix (que na época poderia se chamar de bootleg), ele enviou essa versão pro email de contato da banda, a qual adorou o seu remix e enviou de volta pra ele o arquivo com a acapella original! Um tremendo de um reconhecimento do seu trabalho, e também aquela história: quem não arrisca, não petisca! 😛

Exemplo: Imagine Dragons - Radioactive (Bernardo Novaes Remix)

Portanto, espero que fique esclarecido tanto como se "consegue" o vocal de uma track para que seja feito um remix/bootleg, tanto pra acabar com alguns mitos que rolam por aí, principalmente o mito de que se consegue extrair perfeitamente o vocal de uma track pronta.

NOTA: alguns dos bootlegs que eu fiz no passado eu nomeava como "remix"... eu sei, eu sei, isso é uma prática errada, porém na época muita gente postava como "bootleg" simples mashups (mistura de duas tracks), e como eu fazia uma produção completa nesses bootlegs, e acabava chamando de remix os mesmos. Claro, um erro não justifica o outro, mas pela ansiedade acabei fazendo isso, portanto admito aqui meu erro! 😛

Achou o post útil? Compartilhe-o! Ficou alguma dúvida? Deixe um comentário.

About The Author

Felippe Senne

www.makemusicnow.com.br